terça-feira, 30 de outubro de 2012

Resumo do filme "O Informante"

O filme conta a história de Lowell Bergman (Al Pacino), jornalista da emissora CBS, e que é do programa "60 minutos", de maior audiência nos EUA, e Jeffrey Wigand (Russell Crowe), cientista e ex-funcionário pesquisador da tabacaria Brown & Williamson. Durante os anos 90 o cigarro estava na moda por ter forte propaganda e marketing sobre ele, e se criou uma polêmica devido a um estudo sobre algumas substâncias presentes no cigarro que poderiam causar vício (como a nicotina e a amônia). Lowell convence Jeffrey a ser seu "informante" e falar a respeito sobre tudo o que sabia sobre o assunto, pois a empresa forçava a ciência a esconder o caso, assim "cegava" e "manipulava" o conhecimento já superficial da sociedade sobre cigarros. Para não denegrir a imagem da empresa de tabaco no cenário mundial, a companhia usa meios legais e contratuais para tentar impedir Jeffrey de "abrir a boca". Observando-se que não adiantou, fazem um dossiê de difamação contra Wigand. Vasculham todo o seu passado em vários aspectos negativos, com a finalidade de sujar a sua imagem pelo país afora, e fazer com que ninguém acredite num eventual depoimento que ele fizesse futuramente. Além de atacar Wigand, a Brown & Williamson começa a por contra a parede e ameaçar a emissora CBS, a qual Bergman trabalha, na época estava para ser vendida e não podia ser processada gravemente se não perderia candidatos a compradores. Com isso, a CBS decidiu não publicar o depoimento do ex-pesquisador sobre o caso, mesmo depois de muito esforço de Lowell para obtê-lo. A CBS não respaldou o suficiente Lowell, temendo o que poderia acontecer futuramente. Através de ameaças a Brown & Williamson manipulou a empresa e ditou as regras sobre o que seria posto no ar ou não sobre o caso, assim silenciando a CBS. 
Não satisfeito com isso, Bergman não admite ser usado como um instrumento de ação política da empresa, e tenta de qualquer forma colocar a versão na íntegra do programa no ar. Com isso, Bergman acaba se tornando um "informante", e denuncia o acordo de silêncio que a CBS estava envolvida. Depois de muito sacrifício, a entrevista integral finalmente foi ao ar e Bergman pediu demissão, pois como jornalista de atitude, não admitia não poder proteger suas fontes em relação a transmissão de suas entrevistas. Não poder contar com a independência e o bom senso da empresa a qual trabalha e adquirir a confiança de seus informantes sem poder garantir de fato que qualquer coisa que venha para atrapalhar, mesmo que consigam superar para depor não são, para ele, sinônimos de jornalismo.

Postado por: Renê Franco

Nenhum comentário:

Postar um comentário